Gestão: guia completo para o empreendedor iniciante

 

A gestão é uma jornada longa e, muitas vezes, tortuosa.

Não é nada fácil criar, manter e expandir negócios.

Esse caminho envolve uma série (infindável) de desafios: administração de recursos financeiros, controle de qualidade, gestão de processosplanejamento estratégico, liderança, gestão de pessoas e muito, muito mais.

E os primeiros passos no caminho da gestão podem ser os mais difíceis.

Você vai ver: dá medo enfrentar tantos obstáculos assim.

Mas existem alguns atalhos que podem acelerar o seu crescimento.

Então, se você está atrás de um guia de gestão direto ao ponto, chegou ao artigo certo.

midhaz

Confira o que preparamos para melhorar seu repertório como gestor:

  • O que é gestão
  • Áreas da gestão
  • Ferramentas de gestão
  • Principais modelos de gestão
  • Gestão 2.0: mudanças à vista
  • Grandes gestores e seu legado
  • Dicas para ser um bom gestor
  • A importância do sistema de gestão empresarial.

Quer aprender os principais conceitos de gestão em poucos minutos? Então leia agora mesmo.

O que é gestão

Gestão é a organização e coordenação de atividades e recursos para atingir determinados objetivos em um negócio, com base nas técnicas de administração.

Com essa definição simples e objetiva, já é notável a diferença entre administração e gestão.

A primeira abrange as funções específicas de planejamento, organização, operação e controle; enquanto a segunda diz respeito à sua prática e uso correto.

Assim, a gestão é a central de controle das organizações, responsável por conduzir os recursos em direção às metas, definir os resultados a serem alcançados, estabelecer padrões e manter tudo isso funcionando no dia a dia.

Para o teórico clássico Henri Fayol, significa “prever, planejar, organizar, comandar e controlar”.

Para o contemporâneo Peter Drucker, a gestão é feita de duas dimensões: marketing e inovação.

De qualquer modo, todos concordam que a gestão é responsável por traçar as estratégias, coordenar esforços e perseguir objetivos em nome do crescimento da organização.

Áreas da gestão

Para deixar o conceito ainda mais claro, vamos conhecer os principais tipos de gestão aplicados a cada área da empresa.

Gestão de pessoas

Gestão de pessoas ou administração de recursos humanos é o gerenciamento de competências e comportamentos dos colaboradores, com o objetivo de potencializar o capital humano.

Como um desdobramento do RH em conjunto com outras áreas de liderança, esse tipo de gestão é focado na capacitação, desenvolvimento e engajamento de pessoas dentro das organizações.

Ou seja: seu propósito é valorizar talentos e humanizar as relações no ambiente de trabalho.

Hoje, mais do que nunca, os talentos são o grande diferencial competitivo das empresas, e precisam ser geridos com excelência para alcançar seu máximo potencial.

Gestão ambiental

Gestão ambiental é a disciplina que administra o equilíbrio entre as atividades econômicas e sociais e o uso racional dos recursos naturais, visando à sustentabilidade.

Basicamente, a missão da área é garantir a preservação do meio ambiente em harmonia com o desenvolvimento.

Para isso, algumas técnicas utilizadas são a recuperação de áreas degradadas, criação de métodos de exploração sustentável e estudo de riscos e impactos antes de qualquer atividade.

Gestão financeira

Gestão financeira é o conjunto de atividades administrativas de planejamento, análise e controle das finanças, com o objetivo de aumentar o patrimônio e maximizar lucros.

Tradicionalmente, é uma área que define a saúde financeira das empresas e garante a boa utilização de seus recursos, além de decidir sobre os melhores investimentos e controlar todos os fluxos de dinheiro.

Por meio das frentes de planejamento e controle, a gestão financeira busca o equilíbrio entre receitas e despesas para gerar lucros aos acionistas e investidores.

Gestão empresarial

Gestão empresarial é o conjunto de ações e estratégias que conduzem um negócio aos melhores resultados, abrangendo finanças, processos, materiais, recursos humanos e demais aspectos essenciais.

Até aqui, estamos descrevendo a aplicação da gestão a áreas específicas, mas esse é um conceito mais amplo, que envolve todas as dimensões da organização.

Para organizar a gestão como um todo, cada empresa possui sua distribuição de autoridade e responsabilidade entre os níveis hierárquicos da gerência.

Gestão comercial

Gestão comercial é a área responsável pelo planejamento, controle e organização das atividades comerciais como vendas, compras, relacionamento com o cliente, logística, entre outros processos.

Como ponte oficial entre a empresa e o cliente, a área comercial é decisiva para a criação de valor e merece atenção especial nas organizações.

Algumas atribuições típicas dos gestores comerciais são a criação de estratégias para aumentar as vendas, formação de preços, coordenação de pesquisas de mercado e gerenciamento das relações com os clientes e fornecedores.

Gestão tributária

Gestão tributária é o gerenciamento de aspectos relativos aos impostos, a fim de adequar as políticas da empresa e controlar operações que envolvem tributos.

Com um ambiente tributário altamente complexo, as organizações têm adotado medidas de compliance fiscal para manter em dia o pagamento de impostos e a entrega de documentações ao Fisco.

Nesse sentido, a gestão tributária garante o cumprimento da legislação e, com um bom planejamento, ainda proporciona a redução de carga tributária.

Gestão da qualidade

Gestão da qualidade é a estratégia gerencial aplicada à qualidade da produção e processos de uma empresa, com foco no aprimoramento contínuo.

O objetivo central dessa área é viabilizar melhorias em produtos e serviços para satisfazer as necessidades do cliente, enriquecendo sua experiência e entregando o valor prometido.

Para isso, as organizações adotam padrões como o ISO 9000, que certifica o sistema de gestão de qualidade de acordo com normas nacionais e internacionais.

Gestão de projetos

Gestão de projetos é o conjunto de técnicas e ferramentas que guiam o planejamento, execução e monitoramento de projetos, definindo e alcançando objetivos em um prazo preestabelecido.

Diferentemente das atividades rotineiras da organização, os projetos têm começo, meio e fim, e devem ser realizados dentro de certos prazos, custos e padrões de qualidade.

Atualmente, a gestão de projetos é um terreno fértil para inovações, além de uma competência altamente desejada no mercado de trabalho.

Gestão de processos

Gestão de processos é uma abordagem complexa que busca definir, analisar, controlar e aprimorar processos de negócio para melhorar continuamente o desempenho da organização.

Muito além de mapear as atividades da empresa, essa área da gestão planeja como otimizar cada ponto dos processos, mantendo os objetivos do negócio como referência principal.

Hoje, a gestão de processos utiliza as tecnologias de automação para agregar valor e inovar a forma com que os negócios são realizados e administrados.

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento é a atividade gerencial que busca identificar e analisar os conhecimentos necessários para o desenvolvimento da empresa, levando em conta os que estão disponíveis e os que precisam ser agregados.

Já falamos sobre esse tipo de gestão aqui no blog, mostrando sua importância para impulsionar o capital intelectual e usar o poder da informação em favor do negócio.

Com uma boa gestão do conhecimento, a empresa cria uma cultura de aprendizagem e extrai todo o potencial das competências humanas.

Gestão de estoque

Gestão de estoque é a gerência responsável pela previsão, registro e controle dos materiais armazenados na empresa, coordenando entradas e saídas.

Manter um bom controle do estoque é fundamental para garantir a disponibilidade de produtos e serviços ao cliente, otimizar o capital de giro e minimizar perdas e desperdícios.

O responsável por essa função costuma ser o gerente de operações, que deve compreender plenamente a influência do estoque nos resultados da empresa.

Gestão de mudanças

Gestão de mudanças é uma área administrativa que cuida do processo de adaptação e mudanças organizacionais nas empresas, auxiliando pessoas e controlando atividades durante as transições.

Para que uma mudança seja bem-sucedida, é preciso orientar, equipar e apoiar todos os membros da organização para adotarem as novas diretrizes, vencendo resistências em nome dos objetivos do negócio.

Considerando que mudar já é difícil para o indivíduo, o impacto nas organizações pode ser imenso – daí a necessidade de uma gestão dedicada ao processo.

Gestão 2.0: mudanças à vista

Com a era digital e a Quarta Revolução Industrial, é óbvio que a gestão foi profundamente impactada pelas mudanças globais.

Afinal, estamos falando da maneira de gerenciar negócios inseridos em um cenário hiperconectado, onde o modelo tradicional não tem mais espaço.

Vamos conferir algumas das principais transformações à vista.

Sistema colaborativo

Se antes as empresas eram marcadas pela hierarquia rígida e centralização de poder, hoje o cenário exige um sistema mais colaborativo e adaptável.

A gestão das empresas modernas se vale das plataformas digitais para descentralizar a autoridade e criar um ambiente de livre fluxo de informações, capaz de impulsionar a inovação e cooperação.

Abordagem holística

Na gestão tradicional, o fenômeno dos silos é regra geral, pois as áreas tendem a operar de forma isolada.

Com a gestão 2.0, a visão sistêmica prevalece, e a palavra de ordem é “integração”, abrindo a comunicação entre as áreas em nome dos objetivos do negócio.

Foco no cliente

Uma das mudanças mais marcantes na gestão 2.0 é o foco absoluto no cliente que tomou conta do mercado global.

Basicamente, houve uma inversão de forças: a internet deu ao cliente o poder de decidir entre milhares de opções de ofertas, com acesso irrestrito à informação.

Assim, os novos gestores têm o desafio de alinhar todos os processos e objetivos do negócio às expectativas do cliente, tendo a proposta de valor como essência da organização.

Modelos de gestão

Há inúmeros modelos de gestão que se encaixam nas demandas atuais.

Para escolher o modelo ideal, a empresa deve levar em conta critérios como área de atuação, objetivos e cultura organizacional.

Por exemplo, uma organização com DNA inovador, estrutura horizontal e trabalho flexível pede um estilo de gestão mais democrático e colaborativo.

Já uma empresa que atua em mercados mais conservadores pode preferir uma gestão focada em resultados, que se preocupa mais com a eficácia do que com o método para alcançar objetivos.

As estruturas mais rígidas também costumam preservar um certo nível de autoridade na tomada de decisão, especialmente quando a disciplina e organização estão em falta.

No geral, a maioria dos líderes busca uma gestão inspiradora, capaz de influenciar pessoas e maximizar esforços pelos objetivos da empresa.

Ferramentas de gestão

Além dos modelos, também há um arsenal de ferramentas de gestão disponível para facilitar o trabalho.

Conheça algumas das principais.

PDCA

O Ciclo PDCA é um dos métodos mais famosos de gestão, que se baseia em quatro simples passos:

  1. Planejar (Plan): definir objetivos e processos necessários para atingi-los
  2. Desenvolver (Do): implementar o plano e executar o processo
  3. Checar (Check): conferir os resultados e procurar por inconsistências
  4. Agir (Act): tomar providências para corrigir erros e melhorar o processo.

Essas etapas devem ser repetidas para a melhoria contínua dos processos, conforme determinado pelo criador do método William Deming, considerado o pai da gestão de qualidade.

Benchmarking

O benchmarking é uma estratégia que permite às empresas comparar produtos, práticas e metodologias de concorrentes, buscando desenvolver sua própria vantagem competitiva.

Nas palavras do colunista da Forbes Scott Lenet, em artigo sobre o assunto, o benchmarking é um método inteligente para avaliar sua gestão tomando como base o que já funcionou para outras empresas.

O valor dessa ferramenta está no poder da experiência, pois grande parte do conhecimento sobre negócios não pode ser aprendido na educação formal.

Seis sigma

Seis sigma é uma ferramenta de qualidade voltada ao aprimoramento de processos e eliminação de defeitos.

Originalmente, o método foi adotado pela Motorola na década de 1980, com base no trabalho do estatístico Walter A. Shewhart.

Sua metodologia principal é expressa pela sigla DMAIC, que representa as cinco etapas: definição, medição, análise, melhoria (improve) e controle.

Os principais objetivos do método são a redução de custos, otimização de processos e melhora na satisfação do cliente.

5S

A metodologia 5S serve como base para a implementação da qualidade total, a partir de cinco conceitos japoneses:

  • Seiri (classificação): separar o necessário do desnecessário
  • Seiton (Ordem): colocar cada coisa em seu lugar
  • Seiso (limpeza): limpar e cuidar do ambiente de trabalho
  • Seiketsu (padronização): criar normas e padrões
  • Shitsuke (Disciplina): incentivar a colaboração de todos.

Métodos ágeis

Os métodos ágeis representam um novo paradigma na gestão de projetos, inspirado no desenvolvimento de software.

O modelo ágil, ao contrário do modelo tradicional em cascata, é baseado em ciclos iterativos e incrementais, com grande flexibilidade e distribuição das entregas em ciclos.

Alguns dos métodos ágeis mais famosos são o Kanban, Scrum e FDD, que você pode conhecer melhor neste post.

Os grandes gestores

Conhecer o legado dos grandes gestores é uma das melhores formas de se inspirar e criar um estilo próprio de gestão.2

Confira alguns líderes mundiais de destaque nos negócios.

Jack Welch

Conhecido como um dos maiores gestores da história, Jack Welch ficou famoso pelo seu trabalho na General Electric Company (GE), onde atuou de 1981 a 2001.

Sob seu comando, a GE cresceu exponencialmente e se tornou uma gigante global.

Uma de suas lições mais famosas se resume na frase:

“Grandes líderes criam uma visão, articulam a visão, tomam a visão como paixão e a conduzem sem descanso até sua realização.”

Jorge Paulo Leman

Como exemplo brasileiro, temos o bem-sucedido Jorge Paulo Leman, o segundo homem mais rico do Brasil (Forbes, 2019).

Ele controla gigantes como a Kraft Heinz, Burger King e a Ab InBev (maior cervejaria do mundo).

Em suas palavras, “Ter um sonho grande dá o mesmo trabalho de ter um sonho pequeno”.

Paula Bellizia

A nova CEO da Microsoft brasil, Paula Bellizia, foi nomeada em 2015 e vem sendo apontada como um destaque em gestão e empreendedorismo.

Seu diferencial está na liderança transformadora e foco em diversidade e inclusão, com o objetivo de gerar impacto nas pessoas e sociedade.

Seu mote principal é “Não há transformação se não mudarmos a cultura”.

Como ser um bom gestor

Agora que você já conhece os fundamentos da gestão e seu novo cenário, está na hora de desenvolver seu próprio modelo.

Confira algumas dicas para ser bem-sucedido(a).

Lidere pelo exemplo

Liderança não é uma questão de força ou títulos, mas sim de influência sobre o comportamento das pessoas.

Por isso, você deve liderar sempre pelo exemplo, demonstrando como dar o melhor de si pelo negócio e inspirando todos a seguirem seus passos com a mesma ética, competência e engajamento.

Seja um eterno aprendiz

Em um mundo de rápidas mudanças, o conhecimento tem prazo de validade cada vez mais curto.

Para acompanhar as transformações do nosso tempo, você precisa assumir uma postura de eterno aprendiz e buscar o conhecimento continuamente, seja por meio de formações ou experiências.

Alie a estratégia à humanização

Os gestores de sucesso se preocupam com os resultados ao mesmo tempo em que oferecem um propósito aos seus colaboradores.

No cenário atual, você deve utilizar a tecnologia a serviço da estratégia, sem deixar de valorizar as pessoas e humanizar as relações de trabalho.

Sistema de gestão empresarial

Por fim, todas essas dicas e conceitos só podem ser aplicados com eficiência quando há um sistema de gestão empresarial à altura.

Na gestão 2.0, todas as atividades são amparadas por soluções tecnológicas, que auxiliam empresas a manter o controle sobre a infinidade de dados e transações que ocorrem diariamente.

Esses sistemas coletam, organizam e entregam dados em forma de relatórios e insights preciosos para a tomada de decisão, que se torna cada vez mais assertiva.

Logo, não basta dominar as técnicas de gestão: é preciso ter informação de qualidade para embasar o direcionamento do negócio.

Na Conta Azul, por exemplo, os gestores têm acesso a todas as movimentações financeiras e contábeis da empresa em tempo real.

Com a plataforma, você conecta todas as áreas da organização, acelera rotinas, automatiza processos e ganha tempo para se concentrar no crescimento do negócio.

Você pode contar com essa e muitas outras ferramentas na sua jornada rumo ao sucesso – o resto só depende da sua vontade de vencer.

WWW.REDESATO.COM

WWW.REDESATO.COM

 

Fontes:
Texto: blog.contaazul.com
(Por Marcio Roberto Andrade)
Foto: Divulgação

Quer publicar um release em nosso portal? Entre em CONTATO.

Posts relacionados